Dr. Solon Spanoudis (1922 - 1981)

Dados de Biografia:
- Solon Spanoudis nasceu em 24/ 04/ 1922, descendente de família grega, em Smyrna, na Ásia Menor.
- Sua mãe era Cleo Vulgaris, nascida em família de posses.
- Seu pai, George Spanoudis, era de família simples de verdureiros que, tendo ganhado um sorteio de loteria, ascendeu tanto social como culturalmente.
- George foi mandado para Paris, onde estudou medicina.
Solon tinha um irmão, Theon, nascido em 1915.

A História:
Smyrna estava, então, sob domínio da Turquia e, em julho do mesmo ano de 1922, foi palco de um genocídio em grandes proporções dos gregos e armênios que lá residiam.

Aqueles que conseguiram sobreviver foram expulsos em seguida. Assim, aos três meses, Solon e toda a sua família foram para Atenas, onde se estabeleceram. Na fuga, a família abandonou todos os bens e o conforto em que até então viviam. 
Solon estudou na Escola Americana de Atenas, junto ao irmão Theon. 
Quando concluiu os estudos secundários, Theon foi mandado para Viena onde morava uma outra tia materna, casada com um austríaco. Em Viena, ele estudou Medicina e se tornou psiquiatra. 
Solon, que ficara em Atenas, lá viveu os anos difíceis da ocupação alemã e começou a sofrer de tuberculose. Em 1942, ele é mandado também para a Áustria para estudar. O irmão Theon encaminhou Solon para os Alpes. Na volta para Viena, Solon ingressou na faculdade de Química. Mas, com a vizinhança do final da guerra e com o medo da dominação soviética, de ser enviado para a União Soviética, por ser químico, Solon pediu transferência para a faculdade de Medicina. Ele queria especializar-se em psiquiatria, mas foi desaconselhado pelo Dr. Aichorn, com quem fez a sua própria psicanálise. Aichorn, um pedagogo que trabalhava com crianças marginalizadas, havia estudado com Freud. 
Em 1949, o irmão Theon foi a Genebra para participar de um congresso internacional de psicanálise. Nesta ocasião, ele conheceu alguns psicanalistas brasileiros que o convidaram para vir para o Brasil para atuar como analista didata, o que possibilitaria a formação da Sociedade Brasileira de Psicanálise. 
Neste mesmo ano, Theon se estabeleceu no Brasil e depois trouxe o irmão Solon que, inicialmente, foi para Niterói, onde teria que estudar para fazer alguns exames para revalidação de seu diploma de Medicina, que ocorreu em outubro de 1954. 
Em São Paulo, Solon conheceu o Dr. Francisco Eichbaum que o aconselhou, uma vez que já havia estudado Química, a abrir um laboratório de análises clínicas. Solon, então, se estabeleceu nesta cidade. 
Em 1961, ele se casou com Barbara Schubert.
Nos anos seguintes, ele retomou o seu antigo sonho se preparando para a obtenção da especialização em psiquiatria. Junto aos psiquiatras Luiz Weinmann e Luiz Prado e com a supervisão do também psiquiatra Edu Machado Gomes, Solon se dedicou a estudar o existencialismo e as diversas correntes da análise existencial. Em novembro de 1970, Solon obteve da Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Psiquiatria o título de psiquiatra. 
Durante os seus estudos sobre análise existencial, ele havia descoberto um livro cujo autor, aqui desconhecido, era Medard Boss. 
Em 1971, pela primeira vez, Solon escreveu para Medard Boss que prontamente respondeu a sua carta se colocando à disposição para futuro encontro no Brasil, uma vez que seus filhos, por coincidência, aqui moravam. 
Quando obteve o diploma de psiquiatra, Solon encerrou as atividades do laboratório de análises clínicas. Dedicou-se integralmente, então, à atividade de psiquiatra e psicoterapeuta tanto em seu consultório particular à rua Bento Freitas, 162, 5º andar , como na unidade do Serviço de Higiene Mental, da rua Itapeva. 
O primeiro encontro com o psiquiatra daseinsanalista suíço Medard Boss, que precedeu a alguns outros nos anos seguintes, aconteceu em 1973. 
Em 1974, com o apoio de seu irmão Theon e do psiquiatra Luiz Weinmann, junto aos psicólogos e psicoterapeutas Casimiro Angielczyk, David Cytrynowicz e João Augusto Pompéia, Solon fundou a Associação Brasileira de Análise e Terapia Existencial – Daseinsanalyse. 
Com a fundação desta associação, Solon se dedicava cada vez mais aos estudos e divulgação da Daseinsanalyse em São Paulo. Foi ele um pioneiro nos estudos da obra de Martin Heidegger e no reconhecimento de sua importância na atuação de todos aqueles profissionais da medicina, da psicologia ou da educação que se interessam originalmente pela condição humana. 
Em junho de 1980, por iniciativa do Presidente da Comissão Geral de Pós-Graduação, Prof. Dr. Joel Martins, Solon recebeu da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo o título de “Notável Saber”, equivalente ao de doutor, que o habilitava a orientar formalmente os trabalhos de pós-graduação nas áreas de Psicologia e Educação da PUCSP, dado o seu profundo envolvimento e conhecimento do pensamento heideggeriano. 
No dia 02 de agosto de 1981, véspera do início de um novo curso na, então, ABATED Solon faleceu.